Abismos e Voos…

(Abysses and flights – Original text in Portuguese language, and transcription for English version in blog) 

As possibilidades de uma existência não mais limitar-se-ão às condições de status atingidas, conquistas, posses, parcerias idealizadas, troféus ou medalhas de honra ao mérito…
Todo objetivo atingido por lutas, sacrifícios, anulações dos próprios sentimentos de bem estar e até ações negligentes ao próprio Ser ou a semelhantes, comprovam-se geradores de desejos por novos objetivos, onde o Ser percorre por um caminho sem fim de medos e inseguranças…
Constata-se, que objetivos sociais programados não alcançados, resultaram em quedas de autoestima e autoconfiança, remetentes à tristeza, desânimo e processos depressivos…

Podemos ver um abismo como o fim de um trajeto, mas sua profundidade nos diz que chegamos a grandes altitudes, e se o fizemos, é por termos asas para a continuidade dos próximos destinos…

O coração é a resposta para as possibilidades além do círculo vicioso. Ao ser ouvido, assimilado e compreendido, abre um campo de percepções e recepções ao novo, ao belo, aos caminhos que ressoam e despertam sentimentos puros e profundos, de felicidade plena, de liberdade, de autoconhecimento, de Amor incondicional, de virtudes e dádivas nunca antes recordadas pelas consciências veladas. O coração é a interface para sintonizar as frequências, que permitem comunicações e orientações de nossos aspectos elevados, que incluem em acréscimo a conexão com nossas famílias espirituais…

Uma das chaves para abrir a porta do templo interior no coração, é o perdão. O perdão a nós mesmos, o perdão às manifestações externas de nossos convívios nesta superfície… A outra chave é a gratidão. A gratidão a nós mesmos, às nossas Divinas Presenças, à Mãe Terra, aos Elementais da Natureza, aos Anjos, Arcanjos, Mestres, à Irmandade Galáctica, e pelo discernimento de que toda experiência, ao final, é iluminada e serve ao propósito do bem maior. Sem deixar de mencionar a principal chave, o Amor Incondicional pelo que somos, expansíveis à Vida como um Todo.

Não há mais o que julgar ou condenar. As experiências foram vividas e não há o que resgatar delas, nenhuma revisão do passado, nenhum sentimento de que se fosse feito diferente, o presente teria um resultado satisfatório. Esta incerteza é geradora contínua do que se encerra em arrependimentos, portanto, autojulgamentos e, por conseguinte, incentivos ao julgamento de outros, por uma necessidade de atribuir frustrações pessoais ao externo, pela autocondenação e encarceramento na certeza de haverem cometido erros passados.

Não há erros a serem considerados, ou que devam ser revistos numa reincidência cíclica e torturante. Há referências ao agora, que valorizam as energias puras harmonizando-se com o destino mais assertivo, por estar em alinhamento com cada passo iluminado pelo Amor… 

O mal está se esvaindo do mundo agora, embora mostre-se tão aparente. Não obstante, está se movendo da obscuridade enigmática, acobertada por mentiras acerca de absolutamente tudo que aprendemos e que transformaram realidades puras em lendas, para a explícita verdade de sua indigna e desarmoniosa presença. Portanto, tudo que o Ser vislumbrar ou sentir de novo a partir de agora, são suas verdades ocultadas que se revelam paulatinamente, e estas elucidarão que as mentiras mantidas por eras, tinham o objetivo de que todos fossem controlados pelos medos, a ponto de não reconhecerem quão ilimitadas e expansíveis são suas naturezas, e quais diversidades maravilhosas os pensamentos reconectados à Fonte podem cocriar e manifestar…

A inocência, realocada como antônimo da culpa, enfim retorna como um estado de pureza e perfeição originais. Trazendo novamente as virtudes, como os reais atributos ante as imperfeições impostas ao Ser que, por conseguinte, deixará de crer em suas definições como negativas, transmutando imperfeições em experiências e instrumentos para a automestria. Extinguindo assim, a razão de idolatrar quaisquer socorristas espirituais, pois estes são irreais, e não há o que se idolatrar, quando todo Ser é unificado à energia absoluta da Criação.

Se perguntarmos a quaisquer Mestres das dimensões elevadas, se são adeptos da adoração como idolatrias, certamente seria dito que o Amor Incondicional emanado por suas essências, não esperam por essas repostas, mas sim, o reconhecimento de cada Ser de sua própria Mestria, no entendimento do poder de desencadear a partir de si, o bem maior ao todo unificado.

A adoração, pois, poderia retornar ao seu estado original de reverência pela Vida como um todo, a partir de seu Amor na própria identificação como Ser divino criativo, empoderado, ilimitado, eterno e consciente de que da Fonte é uma manifestação, cujos atributos são; criar, transformar, renovar, expandir… Por suas próprias potencialidades.

Tudo trará o entendimento de que as cercas e muros que separam quintais pelo mundo, não têm mais razão de serem divisores, monopolizando um vasto e fértil campo oferecido por Gaia, nossa Mãe Terra. Restabelecendo o conhecimento, de que divisores levam à separação do inseparável, por falsos conceitos de poderes pessoais, gerando competitividade por aquilo que a ninguém pertence, negligenciando equilíbrios naturais e obstruindo um perfeito processo evolutivo de uma consciência planetária.

O momento do fim está próximo. O fim de um longo sonho. E assim, recordaremos alegres adiante, que um dia sonhamos sermos partículas diminutas, inertes e indefesas, separadas da energia cósmica suprema de uma única Fonte que ama, concede e evolui infinitamente por meio de nós como um todo…

Quando reconhecer-vos em essência, vereis a vós como almas definidas divinas por origem e criativas por manifestação desta origem. Então tereis conclusivamente recobrado, que nossas atribuições não se restringem ao limitante campo do imutável…

…escrito por Fred Cury

Versão em Áudio/Vídeo editada por PALMA: https://youtu.be/se10Sa9c470

Abysses and flights (English version)…

The possibilities of a life unlimited, no more will be the status of conditions met, achievements, possessions, idealized partnerships, trophies or medals of honor to the merits …

Every goal achieved through struggles, sacrifices, cancellations of own feelings of well-being and even negligent actions to Being itself or the like, show up desires generators for new goals, where the Being traverses a path endless from the fears and insecurities. ..

It appears that planned social objectives not achieved, are resulting in falls from self-esteem and confidence, senders to sadness, and depressive processes …

We can see an abyss like the end of a path, but its depth tells us that we reached high altitudes, and if we did, we have wings to continue the next flying …

The heart is the answer to the possibilities beyond the vicious circle. If we heard it, we can assimilating, understand it, and open a perceptions field and receptions to the new, the beautiful, the ways that resonate and awaken pure and deep feeling of complete happiness, of freedom, of self, of unconditional love, virtues and gifts, that never before we recalled in the veiled consciousness. The heart is the interface to tune the frequencies that allow communication and guidance from our higher aspects, which include in addition, connecting with our spiritual families …

One of the keys to open the gate of the inner temple in the heart, is forgiveness. Forgiveness ourselves, forgiveness to external manifestations of our gatherings on this surface … The other key is gratitude. Gratitude to ourselves, to our Divine Presence, for Mother Earth, the Elementals of Nature, the Angels, Archangels, Masters, the Galactic Family, and the insight that every experience in the end is lit and serves the purpose to well larger. And, because not to mention the primary key, unconditional love for who we are, expandable to life as a whole.

No more than judge or condemn. Experiences were experienced, and there is nothing to rescue them, no revision of the past, no feeling that if it were done differently, this would have a successful outcome. This uncertainty is continuously generating the ending regrets, therefore, self-judgments and therefore incentives to the judgment of others, by a need to assign personal frustrations to external, or self-condemnation and imprisonment by the certainty of having committed past mistakes.

No errors to be considered, or that should be reviewed on a cyclical and torturing recurrence. Now, there are references, who value pure energy of harmonizing, with the more assertive destination, to be in alignment with each step illuminated by Love …

Evil is slipping away from the world now, although it shows up so apparent. Nevertheless, it is moving to out the enigmatic dark, covered up by lies about absolutely everything we have learned and who turned pure realities in legends, to the explicit truth of his unworthy and disharmonious presence. So all that being glimpse or feel again as of now, are your truths hidden that gradually reveal, and these elucidate the lies kept for various ages, that had the goal of everyone to be controlled by fears, not to point and recognize how limitless and expandable are their natures, and what wonderful diversity of thoughts reconnected to the Source can co-create and manifest …

Innocence, reallocated as antonym of guilt, finally returns to a state of purity and the original perfection. Bringing again the virtues, as the actual attributes on the face of imperfections imposed for us, therefore, no longer believe in their negative definitions and, transmuting imperfections in experiments and instruments for self-mastery. For extinguishing thus, reasons to idolize any spiritual rescuers, because they are unreal, and there is not what you idolize when the whole being is unified to the absolute power of creation.

If you ask any Master of the higher dimensions, whether they appreciate idolatry, would certainly be said that the unconditional love emanating from their essences, do not aspire for those answers, but the  recognition of each by itself in your own mastery, and understanding your own power to unleash the greater good of the unified whole.

Worship, therefore, could return to its original state of reverence for life as a whole, from his love in his own identification as a divine being creative, empowered unlimited, eternal and aware that the source is a internal manifestation for us, whose attributes are ; create, transform, renovate, expand … For their own potential.

It will bring the understanding that the fences and walls that separate backyards around the world, have no reason to be. Because are dividers, monopolizing a vast and fertile field offered by Gaia, our Mother Earth. Discerning which dividers lead to separation from what is inseparable, are misconceptions of personal powers, creating competition for what belongs to anyone, neglecting natural balances and obstruction a perfect evolutionary process of a planetary consciousness.

The time of the end is near. The end of a long dream. And we can commemorate forward, by the amazing awakening of a dream of being tiny particles, inert and helpless, separated from the infinite cosmic energy from a single Source, who loves, gives us grace and evolves endlessly through us …

When you recognize and rediscover yourself in your essence, you will see you as the divine soul, beloved by origin, and creative for the manifestation of this origin. So, you will be assured that your assignments are not restricted to an immutable field…

… written by Fred Cury

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s